Top 10 fundos imobiliários 2021: veja os melhores

No ranking elencamos quais fundos imobiliários tiveram o melhor desempenho em 2021. Nove deles são do segmento de papel. Confira!
fundos imobiliários 2021
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp

Quer saber quais fundos imobiliários (FIIs) foram os melhores em 2021? O Gorila realizou um levantamento com os FIIs que tiveram as maiores rentabilidades ao longo do ano. Sabia que já são mais de 1,4 milhão de investidores, atraídos principalmente pela isenção fiscal nos rendimentos? Você faz parte dessa lista?

Acompanhe o ranking com os melhores FIIs.

Top 10 fundos imobiliários 2021

 
Fonte: Broadcast

A tabela compreende o período de 04/01/2020 a 30/07/2021, sendo considerado reinvestimento dos dividendos, eventos corporativos e proventos.

Do levantamento, 9 fundos imobiliários são do tipo papel, porém a maior rentabilidade neste primeiro semestre de 2021 foi de um fundo de tijolo – BB Progressivo (BBFI11B), alcançando uma valorização em suas cotas de 27,01%. 

1º lugar: BBFI11B

“O caso do BBFI11B é bastante curioso, pois ele está com vacância física de quase 75% e consta nos relatórios gerenciais que o BB está em atraso com os aluguéis. Ainda sim, o fundo foi capaz de manter a distribuição de aluguéis acima da média dos pares de lajes corporativas”, aponta Felipe Fazio, sócio cofundador da W1 Capital Assessoria de Investimentos. 

Constituído em 2004, o BBFI11B atua no segmento de lajes corporativas fazendo a gestão patrimonial exclusivamente de dois imóveis: um localizado no Rio de Janeiro e outro em Brasília, ambos locados pelo Banco do Brasil. 

Fundos imobiliários 2021: maior rentabilidade do ano foi do BBFI11 exposto no gráfico do Gorila com acentuada valorização

Rentabilidade acumulada exibida na plataforma do Gorila comparando a performance do fundo BBFI11B ao IFIX em 2021

2º lugar: XPCI11

Com um patrimônio líquido de R$ 634,2 milhões, o XP Crédito Imobiliário (XPCI11) obteve uma rentabilidade de 16,76%. Por ser do segmento de papel, os investimentos do fundo são destinados principalmente a aplicações em títulos e valores mobiliários, tais como CRI, Debênture, LCI, LH e cotas de FIIs. 

Recentemente, a administração do XPCI11 divulgou que fará nova emissão de cotas no montante máximo de R$ 10 bilhões. Leia aqui o comunicado. 

3º lugar: HABT11

O terceiro colocado no ranking dos fundos imobiliários em 2021 foi o Habitat II (HABT11). 

O fundo investe de forma predominante em títulos de dívida imobiliária e outros valores mobiliários, sendo os mais comuns os certificados de recebíveis imobiliários (CRIs). 

De janeiro até final de junho, o HABT11 proporcionou uma rentabilidade de quase 10% aos seus 30 mil cotistas. Em 6 de agosto, o fundo fechou cotado a R$ 122,40, sendo que o valor por provento por cota é de 1,60, pago em 12 de agosto.

Diante desses três primeiros colocados é possível concluir que FIIs de papel costumam trazer alta rentabilidade? Fazio responde que isso depende: “Fundos High Yield compram créditos com maior risco, o que costuma trazer maiores aluguéis. Contudo, isto não é necessariamente uma regra”.

Quais fatores contribuem para uma rentabilidade elevada de um FII?

Isto vai depender de qual a classe do fundo imobiliário: FoF, Crédito ou Lajes. Entretanto, há uma regra que permeia qualquer tipo de investimento, que é a relação risco x retorno. Não existe almoço grátis, então se há algum FII que esteja pagando um aluguel extraordinariamente alto, há boas chances de ter um risco maior ali dentro, ou não ser fator recorrente”, explica Fazio.

Uma dúvida que pode surgir na cabeça de quem investe é se a rentabilidade elevada pode ser sinônimo de Dividend Yield (DY) alto, não é mesmo? Muitas pessoas investem justamente em FII por terem seu rendimento na forma de aluguel isento de Imposto de Renda, além de ser uma forma de diversificar a carteira e ter exposição no setor imobiliário sem necessariamente comprar um imóvel. 

Leia também

Investimento imobiliário: 5 jeitos de investir sem comprar um imóvel

Entretanto, Fazio aponta que é importante separar aluguel e DY. “O aluguel é o valor bruto recebido pelo investidor, enquanto o yield é uma relação aluguel/valor da cota. De forma simples. Se eu recebo R$ 1,00/cota de aluguel, fiz um bom investimento? Devemos analisar o valor da cota. Se o valor da cota for R$ 100, recebi um yield de 1% naquele mês. Se for de R$ 1000, recebi um yield de 0,1% no período”.

Quais pontos o investidor deve analisar antes de investir em um FII?

Como vimos, o único ponto de decisão na hora de aplicar em fundo imobiliário não é o Dividend Yield. Para ajudar o investidor, Fazio explica que nos fundos de laje devem ser consideradas a qualidade e quantidade de imóveis, saúde financeira dos inquilinos, qualidade e longevidade dos contratos com os inquilinos e tipicidade.

Já quem quer investir em FIIs de papel deve olhar a quantidade de CRIs, quem são os emissores, quais as taxas e a duration de cada um e se a gestão é mais ativa ou mais de carrego.  

Além disso, por ser um ativo em renda variável negociado em bolsa, os FIIs também sofrem com o mercado econômico, tanto que no último ano vimos uma queda expressiva nos fundos de lajes e de shoppings

Será que esses dois segmentos conseguiram se recuperar? “O mercado de lajes está bastante aquecido. Vimos a Amazon e a Shopee firmando contratos no Faria Lima Plaza (no Largo da Batata, em São Paulo), o BTG comprando as EZ Towers, o PVBI comprando parte do complexo JK, etc. Isto nos mostra que o mercado entendeu que lajes AAA foram bastante resilientes ao que se pensava sobre Home Office. Já o mercado de shoppings ainda não tem apresentado uma retomada com o mesmo vigor”, analisa Fazio. 

Diversificando a carteira com FIIs

Já ouviu aquela máxima de não colocar todos os ovos na mesma cesta? Isso vale também para seus investimentos. Quando o investidor sabe distribuir seu patrimônio em diversas classes de ativos, sofre menos com a volatilidade. 

Fazio observa que a maior vantagem de ter fundo imobiliário na carteira é a periodicidade de pagamento dos aluguéis. “Se compararmos com ações pagadoras de dividendos, em sua maioria os FIIs apresentam uma relação yield x volatilidade mais interessante, se mostrando como ótima alternativa para investidores que buscam geração de renda”. 

Por falar em aluguéis, está em tramitação na Câmara a proposta de Reforma Tributária que propõe a tributação dos rendimentos dos FIIs. Diante desse possível cenário, Fazio faz suas considerações: “Caso seja apenas um incremento de tributação na cadeia, acho bastante negativo. Contudo, se tributar os aluguéis, mas reduzir a carga tributária em algum ponto da cadeia produtiva vejo com bons olhos, uma vez que estruturalmente tributamos pouca renda e muito consumo”.

Saiba mais

Reforma Tributária: entenda os principais pontos e o que muda

FIIs dividendos: confira os melhores pagadores em 2021

Acompanhe os seus fundos imobiliários no Gorila

Depois de conhecer quais foram os melhores fundos imobiliários em 2021, que tal ter praticidade para acompanhar a evolução dos seus investimentos? 

No Gorila você tem consolidado num só lugar as aplicações em FIIs, ações, renda fixa, offshore e muito mais. Em “Eventos da Carteira” você confere todos os rendimentos que entraram na carteira, como dividendos e JSCP. 

Top 10 fundos imobiliários 2021: tela de eventos com o pagamento dos rendimentos dos FIIs

Curtiu saber quais foram os melhores fundos imobiliários em 2021? E seguindo nossas mídias você fica por dentro das principais novidades do mercado: Facebook, Instagram, Twitter, Linkedin e Telegram

Nova tabela do Imposto de Renda


Fonte: Receita Federal

Controle seus investimentos com o Gorila

Não perca mais tempo com tabelas e planilhas. Conheça uma nova forma de acompanhar a rentabilidade da sua carteira de investimentos.

Controle seus investimentos com o Gorila

E tenha a plataforma mais completa para acompanhar a sua rentabilidade de forma rápida, fácil e transparente.

Leia mais

Leia mais