Como se Divide o Mercado Financeiro

Sempre em pauta nos jornais e portais de notícias, o tema mercado financeiro pode parecer um tanto complicado de compreender a princípio, já que têm-se a ideia errada de que ele está ligado somente à Bolsa de Valores. Na verdade, ele faz parte de todo um sistema que faz a economia do país girar.
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp

SOUNDTRACK PARA OUVIR COM ESTE POST

Entender o que de fato abrange e como funciona o termo “mercado financeiro” é essencial para quem está se aventurando no universo dos investimentos. A princípio parece uma ideia um tanto abstrata, já que é complicado ter contato com o tema de uma maneira mais didática, sem que, para isso, você tenha que necessariamente estar “envolvido” no meio.

Ou mesmo há quem associe o tal “mercado financeiro” com aquela ideia clássica de muito dinheiro, muito risco, muita gritaria (dos antigos pregões não eletrônicos) e muita especulação, algo o tanto animalesco e agressivo. Porém, a realidade é bem menos mística e emocionante do que cenas de filmes como Wall Street (Michael Douglas e Charlie Sheen) ou Trocando as Bolas (Eddie Murphy e Dan Aykroyd).

Pensando nisso, e sempre com a ideia de levar mais transparência até você, o Gorila quer te ajuda a entender como essa estrutura é composta e qual sua principal função =)

Qual a função do mercado financeiro?

Em resumo, a função principal do mercado financeiro é fazer a ponte entre quem precisa de dinheiro (pessoas, empresas, governo) e quem tem dinheiro para emprestar, de forma segura e regulada.

Como? Regulando, movimentando, controlando e otimizando os processos do sistema econômico para que isso aconteça de forma saudável, instigando os tomadores de crédito (quem pega esse dinheiro) a investir em suas empresas, gerando trabalho e promovendo a circulação de dinheiro na economia.

Basicamente, quem compõe o mercado financeiro são bancos, fundos de investimentos, seguros, órgãos governamentais e qualquer instituição que tenha por finalidade o desenvolvimento de processos envolvendo dinheiro (olha as fintechs aqui!). Isso significa que, o objetivo dessa estrutura como um todo é promover o fluxo entre os aqueles que poupam dinheiro e possuem capital disponível com aqueles que tomam esses recursos, fazendo a economia girar através da intermediação entre poupança e investimento. .

Entenda como se dá a estrutura do mercado financeiro

Todo o conjunto das instituições, ferramentas e mecanismos que constituem o sistema financeiro pode se subdividir entre quatro mercados:

Mercado de Crédito: este tipo de mercado é constituído por instituições (que podem ou não ser financeiras) que conectam recursos de curto ou médio prazo à quem necessita destes, seja para consumo ou capital de giro. Como exemplo, quando uma empresa precisa de recursos para cobrir o seu capital de giro, ela irá recorrer ao mercado de crédito.

Mercado Monetário: é responsável pelo controle da oferta de moeda e taxas de juros a curto e curtíssimo prazo, que asseguram a liquidez da economia no país (lembra do Illan Goldfajn? É ele o atual presidente do Banco Central e o responsável por conduzir esse controle). A principal fonte de negociações neste mercado é através da oferta de títulos públicos do Tesouro Nacional.

Mercado de Câmbio: aqui são feitas as negociações e trocas de moedas estrangeiras por moedas nacionais (Real) e elas acontecem no curto prazo ou à vista mesmo. Por exemplo, quando você precisa trocar seu dinheiro por dólar para fazer compras na Disney, está recorrendo ao mercado de câmbio.

Mercado de Capitais: através da compra e venda de títulos e valores mobiliários realizadas por investidores, empresas e intermediários, o mercado de capitais entrega recursos de médio e longo prazo aos interessados, sejam eles tomadores ou investidores. Na prática,  o mercado de capitais diz respeito a títulos, ações e derivativos da bolsa de valores, corretoras e outras instituições financeiras.

Um exemplo que ilustra bem a realidade do mercado de capitais acontece quando uma empresa precisa de recursos para investir na expansão de uma nova fábrica e recorre ao mercado de capitais para angariar dinheiro e financiar esse projeto. Ela pode fazer isso emitindo um título, como uma debênture mesmo abrindo o capital da sua empresa na bolsa para que novos sócios (acionistas) façam aportes de capital no projeto.

Dentro do mercado de capitais, existem ainda os mercados primário e secundário:

Mercado Primário: caracteriza-se pela operação em que empresas ou governo lançam títulos e valores mobiliários para atrair recursos direto dos investidores.

Mercado Secundário: o principal objetivo aqui é gerar negócios, portanto, o mercado secundário é basicamente quando ocorre a compra e venda de títulos e valores mobiliários adquiridos no mercado primário.

Afinal, quem regula o mercado financeiro?

Com o intuito de garantir o bom funcionamento do mercado financeiro, oferecendo maior eficiência e segurança nas operações, o Sistema Financeiro Nacional é composto por diversos órgãos governamentais que criam normas e fiscalizam o sistema para que essa transferência de recursos entre investidores e instituições tomadoras desses recursos sejam facilitadas. Quem faz a regulação das operações no mercado são principalmente:

Conselho Monetário Nacional (CMN)
É o órgão supremo do Sistema Financeiro Nacional e é o conselho de política econômica do país. A instituição tem como responsável o ministro da Fazenda (atualmente Eduardo Guardia, que será substituído por Paulo Guedes no governo de Bolsonaro), e é composto pelo Banco Central e pela CVM. Ele engloba as responsabilidades de fixar as diretrizes para as políticas monetárias, de crédito e cambial no país.

Comissão de Valores Mobiliários (CVM)

Sua principal função é fiscalizar e disciplinar o mercado financeiro no país, defendendo os interesses dos investidores e assegurando a divulgação de informações completas e corretas por parte dos emissores.

Por falar nisso, você já deve ter escutado comentários sobre um seriado bem popular entre os adoradores do mercado financeiro. Na saga “Billions” é possível entender como a instituição correspondente à CVM nos Estados Unidos atua (a tal da SECSecurities and Exchange Commission). Entre suas atribuições, ambos os órgãos resguardam inúmeras operações irregulares feitas por traders com informações privilegiadas.

Banco Central do Brasil (BACEN)
O Banco Central do Brasil tem como função principal manter a estabilidade do poder de compra da moeda e a solidez do Sistema Financeiro Nacional. Isso soa bem sensato para um país com um histórico traumatizante de inflação, não é mesmo? E a ferramenta utilizada para cumprir essa função é a formulação e gestão das políticas monetária e cambial, com a injeção ou contenção da liquidez pela impressão de Reais, fixação da taxa Selic e pelo controle das operações de crédito das instituições financeiras.

Superintendência de Seguros Privados (SUSEP)
A Superintendência de Seguros Privados é uma instituição federal que tem como objetivo regular, regulamentar, controlar e fiscalizar todo o mercado de seguros, previdência privada e capitalização do país. A SUSEP garante que as seguradoras contam com recursos suficientes para indenizar seus segurados, de forma que nenhum deles fique desamparado.

Gostou de saber mais sobre o mercado financeiro? Acompanhe os artigos do Gorila e aproveite para conferir a rentabilidade dos seus investimentos!

Controle seus investimentos com o Gorila

Não perca mais tempo com tabelas e planilhas. Conheça uma nova forma de acompanhar a rentabilidade da sua carteira de investimentos.

Controle seus investimentos com o Gorila

E tenha a plataforma mais completa para acompanhar a sua rentabilidade de forma rápida, fácil e transparente.

Leia mais

Leia mais

ações

Melhores ações julho 2022: altas e baixas

Veja as piores e melhores ações de julho: com alta de 4,69% no Ibovespa, o setor de varejo e de tecnologia tiveram leve recuperação, enquanto as mineradoras levaram a pior. Acompanhe o top 5!