Veja como foi o evento do Ciab

Ao longo dos três dias, muitas palestras, descobertas e feedbacks dos clientes do Gorila
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp

SOUNDTRACK PARA OUVIR COM ESTE POST

Foram três dias no evento do Ciab Febraban 2019 e ver o interesse das pessoas ao ir no nosso stand para saber um pouco mais sobre o trabalho do Gorila foi incrível. Encontramos alguns usuários e clientes do GorilaPRO (assessores e consultores de investimentos) para estreitar ainda mais o laço e também ouvimos muitos feedbacks positivos e ideias para aprimorarmos a ferramenta. Teve até gente que via nossa equipe circulando pelo congresso com a camiseta do Gorila e ia nos visitar para descobrir do que se tratava. Não só as camisetas como nossos adesivos também foram sucesso, principalmente o #AdeusPlanilhas.

Stand do Gorila no Ciab FEBRABAN

Neste ano, o Ciab Febraban teve como tema  “Conectado com o Cliente. Contribuindo para a Sociedade”. Ao longo dos dias 11, 12 e 13, várias palestras estavam distribuídas pelo evento englobando 10 trilhas sobre os grandes temas: Tendências Tecnológicas, Fintechs & Startups, Serviços de Tecnologia, Regulação, Meios de Pagamentos, Seguros, Futurismo, Segurança & Cybersecurity, Jornada do Cliente e Provedores de Soluções e Negócios.

Open Banking

Palestra sobre Open Banking com Glauco Luiz Sampaio e Mônica Luciana Martins de Oliveira

O Gorila acompanhou algumas palestras como por exemplo “Open Banking e LGPD – Desafios para Segurança da Informação”. Gostamos bastante desse tema porque nascemos já com esse intuito. Veja o que a gente já falou sobre Open Banking.

A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), que visa dar mais segurança e controle aos cidadãos nas suas relações diárias com as empresas físicas ou virtuais, começa a valer a partir de 2020. Já o Open Banking ainda está sendo discutido pelo Banco Central e equivale a abertura e controle dos dados por seus legítimos proprietários.

“O cliente tem que dizer ok. É um acordo muito claro”, disse Glauco Luiz Sampaio, Gerente Executivo de Segurança da Informação e Prevenção a Fraudes, Banco Original. Em relação à LGPD Sampaio comenta: “Nossa responsabilidade é garantir a segurança caso algum usuário não queira ter um relacionamento com algum canal”.

Já para Mônica Luciana Martins de Oliveira, Gerente executiva da Diretoria de Segurança, Banco do Brasil, o Open Banking deveria ser usado para fazer a vida do consumidor mais simples: “No novo mundo as empresas têm que ter cuidado com os dados. O proprietário é que diz o que deve ser feito. Isso é uma chance para melhorar serviços para ser mais democrático”.

Em relação à segurança de como vai ser o processo Monica complementa: “Com API há uma janela de comunicação incrível. Em Open Banking API é tudo. Queremos fazer uma transformação da porta para fora, mas também transformar a cozinha e quintais das nossas organizações. O Open Banking é uma imensa mudança e uma fase que o outro sou eu e eu sou o outro”, finaliza.

A Nova Onda da Disrupção Digital

O Thales Oliveira é o único professor brasileiro em Harvard e durante sua palestra, no Auditório Arena, ele explicou os fatores que estão causando uma nova onda de disrupção no Brasil e no mundo.

“Abra o leque para a transformação digital. No começo o Uber não era assim. Era uma mensagem de texto que a empresa mandava. Falava onde a pessoa ia e tentava achar um carro. A tecnologia veio para otimizar. Um casamento entre oferta e demanda”. Oliveira até brincou: “Estão compartilhando tudo. Até animal de estimação”.

Thales Oliveira dá aulas de pós-graduação na Harvard Business School e contou que 60% de seus alunos têm em mente criar um modelo de negócios disruptivo. “Antigamente os alunos procuravam ficar ricos. Até os anos 2000 era ir para consultoria. Hoje em dia é criar uma startup”, conclui Oliveira.

A evolução do ecossistema de Fintechs no Brasil

Mais um tema atrativo para o Gorila foi ver um panorama sobre o amadurecimento das fintechs. Como o relacionamento das startups com bancos e instituições financeiras evoluiu, e os benefícios que estão sendo gerados para os usuários de produtos financeiros.

“Vai ter um ambiente melhor que vai atrair mais oportunidades. Mais crédito para crescer. Diminuir o spread bancário. Uma absurda janela de oportunidades para o pequeno empreendedor crescer. Atender bem o cliente final. Essa é a função da startup”, apontou Fabio Gonsalez, Fundador, Fintechlab e CEO, TORQ.

Gerenciando a transformação da experiência do cliente

Também acompanhamos o encontro entre o Santander, Bradesco e Banco do Brasil para discutir como transformar a experiência do usuário (UX). A partir do entendimento de que cada cliente é único, é possível desenvolver atendimento cada vez mais personalizado.

Análise profunda de personas e da jornada do cliente, novas metodologias e trabalho colaborativo entre diferentes áreas criam soluções únicas, sejam elas digitais ou offline, para as pessoas que utilizam esses serviços. Afinal, tudo é sobre pessoas.

Inteligência Cultural: Exponenciais são as Pessoas

Como o tema do Ciab estava focado no cliente, René de Paula Jr., Head of Exponential Mindset, BRQ, abordou a questão de que ao mesmo tempo que a tecnologia mostrou o quanto somos diversos, seja por questões de gênero, identidade e paixões nacionais, e empoderou tanta gente diferente, agora surge um desafio: não dá mais para pensar o mundo com um único perfil e imaginar que a mesma solução agrade a todos.

“A web era a promessa de um futuro e hoje #DeuRuim. Polarizou ideias e países. O futuro não é tão automático assim. A gente tem que criar hoje o passado de amanhã”. E no meio de tantas experiências viciantes como o uso do celular é preciso fazer um “detox”. “O offline é o novo luxo”, acrescentou René.

Em referência a uma imagem de um cemitério de bicicletas na China, René apontou que é mais barato jogar fora do que consertar. “A felicidade depende de conexões. Não é a pirâmide de Maslow. Somos 7 bilhões de indivíduos que não são binários. São complexos”, disse.  

Por fim, René utilizou a palavra grega Eudaimonia para representar o estado de plenitude do ser. É preciso seis critérios para que seja possível “florescer”: autonomia, desenvolvimento pessoal, aceitação de si mesmo, propósito, domínio do seu ambiente e relações positivas. “Temos que voltar a pensar como jardineiro. Cada um tem a melhor maneira de florescer. As coisas mais importantes da vida não cabem no Excel”, definiu René no Ciab.

Controle seus investimentos com o Gorila

Não perca mais tempo com tabelas e planilhas. Conheça uma nova forma de acompanhar a rentabilidade da sua carteira de investimentos.

Controle seus investimentos com o Gorila

E tenha a plataforma mais completa para acompanhar a sua rentabilidade de forma rápida, fácil e transparente.

Leia mais

Leia mais