Veja como funciona a nova política de tarifação da B3

Para estimular mais o crescimento do mercado de capitais, a B3 eliminará a tarifa de manutenção de conta para todas as corretoras
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp

SOUNDTRACK PARA OUVIR COM ESTE POST

No dia 2 de janeiro, a B3 anunciou um novo modelo de tarifação do mercado de ações. O Gorila vem agora explicar afinal o que mudou e porque está rolando até um abaixo-assinado contra a medida. 

Com as mudanças, a taxa mensal de manutenção de conta, que hoje vai até R$110 ao ano, será zerada permitindo assim que as corretoras ampliem a base de clientes pessoa física – o Gorila ressalta que várias corretoras já praticam essa isenção. Além disso, a tarifa cobrada na negociação de ações na B3 também cairá cerca de 10% para as pessoas físicas em geral. 

Os clientes que tiverem até R$20 mil de saldo em custódia numa mesma corretora serão isentos das demais taxas de manutenção de conta, como as cobranças sobre o pagamento de proventos e valor em custódia.

Segundo a B3, esse conjunto de medidas atinge cerca de 730 mil investidores pessoa física que hoje têm saldo em contas de renda variável. Isso equivale a 65% dos investidores no Brasil. 

Tarifação sobre proventos

Porém, o ponto de maior discussão da nova política de tarifação da B3 é sobre o processamento de proventos financeiros – dividendos e juros sobre capital próprio. Sim, isso representa uma tarifa. 

Nas redes sociais, o documento intitulado “CPMF dos proventos” já recolheu mais de 19 mil assinaturas pedindo a elevação do valor de isenção dessa tarifa para custódias de até R$ 200 mil, ante os R$ 20 mil definidos pela bolsa. 

Essa tarifa consiste em cobrar 0,12% sobre proventos financeiros (dividendos e juros sobre capital próprio). O valor máximo a ser cobrado de cada um é de R$ 5 mil. Vale dizer que as contas de investidores com saldo até R$ 20 mil estarão isentos dessa cobrança. A taxação atinge quem tem ações e cotas de fundos imobiliários. 

Tarifa sobre valor em custódia

Como é hoje: Tabela progressiva que varia de 0,0130% a 0,0005% ao ano sobre valor em custódia. Isento para aplicações de até R$ 300 mil. 

Como fica: Isenta para aplicações até R$ 20 mil. 

R$ 20.000,01 a R$ 300 mil – 0,05% a 0,02% ao ano sobre valor em custódia.

Acima de R$ 300.000,01 – 0,0130% a 0,0005% ao ano sobre valor em custódia.

Isso significa que as tarifas são menores para investidores com maiores volumes.

Polêmicas à parte, as medidas foram anunciadas pela B3 como um incentivo para o crescimento da base de pessoas físicas na bolsa. O número de contas ativas na B3 saltou de 643 mil em janeiro de 2018 para 1,5 milhão de investidores em outubro de 2019, sendo que cerca de um terço dessas contas tem até R$5 mil investidos em renda variável. 

Recapitulando as mudanças feitas pela B3:

E aí, o que você achou dessa nova política de tarifação da B3? A expectativa é que as mudanças sejam implementadas ao longo do ano.  

Aproveita para compartilhar este artigo com seus amigos através das nossas mídias: Facebook, Instagram, Twitter e Linkedin!

Controle seus investimentos com o Gorila

Não perca mais tempo com tabelas e planilhas. Conheça uma nova forma de acompanhar a rentabilidade da sua carteira de investimentos.

Controle seus investimentos com o Gorila

E tenha a plataforma mais completa para acompanhar a sua rentabilidade de forma rápida, fácil e transparente.

Leia mais

Leia mais

fintechs
ações

O jogo virou ou não para as fintechs?

Players de tecnologia reconhecem que é preciso cautela diante da bolha das fintechs. Entretanto, o amadurecimento da regulação no setor e o Open Finance, entre outros fatores, devem contribuir para que não seja “um inverno tão rígido”. Essa é a opinião de Guilherme Assis, CEO do Gorila.

Serena Williams
investimentos

7 dicas da Serena Williams para inspirar o investidor

Serena Williams esteve na Expert XP, maior festival de investimentos do mundo, para falar do seu lado como investidora. A norte-americana contou mais sobre a sua experiência com venture capital e investimentos em startups. Confira as dicas dadas pela maior tenista da história!