Buyback: aprenda o que é a recompra de ações

Veja o que leva uma empresa a fazer a recompra de ações dela mesma no mercado e entenda por que Warren Buffet é adepto a essa tática.
recompra de ações
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp

Já ouviu falar em recompra de ações? Também chamada de buyback, essa estratégia acontece quando uma empresa compra seus próprios papéis no mercado financeiro. Warren Buffet, o maior investidor de todos os tempos, é fã dessa tática. 

Diversos fatores podem levar uma companhia a seguir esse caminho. Quer descobrir quais são eles e entender melhor o funcionamento dos bastidores? Continue lendo o artigo!

Por que uma empresa realiza a recompra de ações?

As principais razões que levam uma companhia a fazer o buyback na bolsa de valores são:

  • Custódia para venda posterior 
  • Cancelamento das ações 
  • Evitar mudanças no controle da companhia
  • Remuneração de colaboradores

Vamos nos atentar a cada um deles:

Custódia para venda posterior 

Quando uma empresa realiza o buyback, ela pode estar sinalizando ao mercado que suas ações estão subvalorizadas. Em geral, isso leva à alta dos papéis no curto e médio prazo, pois investidores entendem que a companhia vê um futuro potencial de valorização.

Dessa forma, a companhia pode guardar os papéis em sua tesouraria e vendê-los novamente quando o mercado estiver mais favorável, em um processo de follow on

Cancelamento das ações

Além de guardar na tesouraria, a empresa também pode optar por cancelar as ações adquiridas e torná-las inexistentes. É como se esses ativos fossem deletados.

Em um primeiro instante, pode parecer que a companhia está queimando dinheiro, já que ela investe capital para comprar e depois “joga fora” o que foi adquirido. Entretanto, essa estratégia possui um objetivo e muitas vezes visa beneficiar os acionistas.

O efeito prático que o cancelamento das ações tem é o aumento da participação dos acionistas que permanecem na empresa. 

Vejamos um exemplo para ilustrar:

Suponhamos que uma empresa possui 100 ações no mercado e que, do outro lado, há um investidor que detém 9 dessas ações. Esse investidor possui 9% da empresa. 

Imagine que essa companhia vai ao mercado fazer buyback, adquire 10 ações dela mesma e decide cancelá-las. Nesse caso, a empresa deixa de ter 100 ações em circulação e passa a ter 90. 

Aquele investidor que possui 9 ações da empresa deixa de ter 9% e passa a ter 10% da empresa; já que agora ele possui 9 de 90, e não 9 de 100 ações. Sendo assim, sua participação no lucro da empresa cresce. 

O efeito matemático do cancelamento de ações adquiridas em recompra é parecido com a compra de mais ações de uma empresa que distribuiu dividendos.

Leia também:
O que é e como funciona o pagamento de dividendos na bolsa de valores

Isso é muito comum nos Estados Unidos porque lá os dividendos são tributados (diferente do Brasil, onde isso não acontece). Então, algumas empresas, ao invés de distribuírem dividendos que serão taxados, compram e cancelam suas ações, gerando o mesmo resultado prático. 

O megainvestidor Warren Buffet é um dos grandes adeptos à recompra de ações. A Berkshire Hathaway, sua principal companhia, nunca distribuiu dividendos em toda sua história. 

Evitar mudanças no controle da companhia

O cancelamento ou custódia dos papéis comprados em buyback também pode ocorrer com o objetivo de prevenir mudanças no controle do negócio. Quando os papéis estão com preços baixos, um investidor com recursos pode comprar uma grande quantidade e se tornar o principal acionista da empresa.  

Essa mudança na distribuição de fatias pode ser prejudicial a uma companhia, já que os principais acionistas frequentemente podem votar em assembleias e definir os rumos das estratégias da empresa. 

Remuneração de colaboradores

O buyback também pode ser feito com a finalidade de adquirir ações para distribuí-las entre os funcionários da empresa. Esse processo de bonificação também é chamado de stock options e visa incentivar o trabalho prestado pelo colaborador tornando-o sócio e acionista. 

Essa modalidade remunera os membros estratégicos, como diretores e conselheiros. Assim, o trabalho deles fica mais alinhado aos objetivos dos outros acionistas. Além disso, as ações dadas costumam ter contratos que impedem sua venda por um determinado período, o que contribui na retenção desses funcionários importantes. 

Regras da recompra de ações

A recompra de ações é regulamentada pela Comissão de Valores Mobiliários, a CVM. A instituição estabelece algumas regras para que esse processo seja legalizado. São elas:

  • Manter somente até 10% de cada classe ou tipo de ação em tesouraria;
  • Impedimento de realizar compras se não houver recursos disponíveis;
  • Prazo de 18 meses para completar a operação;
  • Necessidade de aprovação do conselho de administração ou assembleia-geral. 

Vantagens e desvantagens da recompra de ações

Como já mostramos, a recompra de ações diminui o volume de papéis ofertados na bolsa. Com isso, há consequências na valorização e na liquidez desses ativos. 

O investidor que preserva as ações de uma empresa que está fazendo recompra sai normalmente beneficiado. Com o cancelamento das ações recompradas, a sua fatia acionária cresce e ele passa a receber mais dividendos. Com a preservação dos papéis recomprados na tesouraria, há ganho de capital por parte da empresa, logo,  ela distribuirá mais dividendos. 

Contudo, o buyback também pode prejudicar a liquidez desses ativos, ou ainda fazer com que eles sejam negociados por um preço ineficiente.  

Exemplos de recompra de ações

É comum que a recompra de ações aconteça em maior número nos períodos de crise. Em 2020, com a crise sanitária causada pela Covid-19, houve um aumento significativo da desvalorização de papéis. Para frear a queda, diversas empresas usaram o buyback com o objetivo diminuir a oferta e valorizar as ações. 

Ao todo, 46 companhias realizaram recompra de ações no ano passado. Já em 2021, de acordo com a  lista da CVM, até junho, foram iniciados 19 processos de recompra. 

Dentre as empresas listadas, está a própria B3, que cancelou cerca de 17 milhões de ações mantidas em tesouraria e que foram adquiridas em outros buybacks. Além de aprovar a recompra de R$ 886,5 milhões e R$ 27,6 milhões em ações em 2020 e 2021 respectivamente. 

Outros nomes de destaque que optaram por fazer buyback neste ano foram a Vale (VALE3) e a Itaúsa (ITSA4), além dos bancos Bradesco (BBDC4) e Santander (BCSA34).

Acompanhe seus investimentos com o Gorila

A recompra de ações influencia diretamente nos eventos corporativos da sua carteira, como a distribuição de dividendos. Por isso, é importante acompanhar o desempenho das ações de forma completa. 

Você sabia que na plataforma do Gorila existe a ferramenta Eventos da Carteira? Ela te mostra de forma simples seus dividendos, Juros sobre Capital Próprio, desdobramentos, grupamentos, bonificação e redução de capital, inclusive os rendimentos nos seus Fundos Imobiliários.

Ferramenta Eventos da Carteira na plataforma do Gorila: traz informações sobre o pagamento de dividendos, JSCP e desdobramentos
Ferramenta Eventos da Carteira na plataforma do Gorila

Acesse o Gorila e torne sua vida de investidor mais fácil. Com nossa plataforma, na palma da mão você gerencia todos os seus investimentos e acompanha a rentabilidade da sua carteira. E o melhor: tudo de maneira fácil e intuitiva.

Curtiu? Siga o Gorila em outras mídias sociais para ficar por dentro desse e outros assuntos do mercado: Facebook, Instagram, Twitter , LinkedIn e Telegram

*Texto escrito sob supervisão de Álvara Bianca

Controle seus investimentos com o Gorila

Não perca mais tempo com tabelas e planilhas. Conheça uma nova forma de acompanhar a rentabilidade da sua carteira de investimentos.

Controle seus investimentos com o Gorila

E tenha a plataforma mais completa para acompanhar a sua rentabilidade de forma rápida, fácil e transparente.

Leia mais

Leia mais