Proventos: descubra tudo sobre o que são e como funcionam

Dividendos, JCP, bonificação e subscrições. Veja quais são os tipos de proventos que as empresas podem distribuir aos acionistas.
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp

Receber proventos é como ganhar aqueles itens dos joguinhos que aumentam o poder, a velocidade ou dão habilidades especiais. É sempre bom. No mundo dos investimentos, quando um provento “pinga” na carteira do investidor, é sinal que a empresa está dando um bônus.

Você já sabe o que são proventos, para que eles servem e quais são os tipos que existem?  É sobre isso que vamos falar agora. Leia o artigo para ficar por dentro de tudo que envolve esses benefícios!

Tipos de proventos

Dividendos

Os dividendos são a categoria de proventos mais conhecida. Nada mais são do que uma parcela do lucro de companhias listadas na bolsa de valores. Eles são distribuídos de forma proporcional à quantidade de papéis que cada acionista possui. 

As empresas costumam distribuir pelo menos 25% dos seus lucros anuais na forma de dividendos. Muita gente pensa que essa porcentagem (também chamada de payout) está prevista na lei brasileira, mas isso não é realidade. 

A lei obriga que o estatuto da empresa determine o dividendo mínimo. O que ocorre é que há uma convenção entre as companhias de distribuir no mínimo 25% dos seus lucros em dividendos, mas isso não é obrigatório. Então, é preciso ler atentamente o regimento da instituição.

Também é importante atentar-se ao estatuto social da empresa para saber quando esses lucros serão distribuídos. Eles podem ser repartidos mensal, bimestral, trimestral, semestral ou anualmente. Fica a critério da companhia. 

Outro fator significativo é que os dividendos são isentos de tributação. A distribuição é feita a partir dos lucros líquidos, logo, a empresa é taxada antes desse dinheiro chegar ao investidor. 

O conceito de Dividend Yield (DY) costuma ser bastante usado quando o assunto é dividendo. Ele representa o percentual de lucro que a empresa pagou em relação ao custo da ação. Quanto maior o DY, mais vantajosa é a repartição de dividendos.

Para chegar ao DY, deve-se dividir o valor recebido pelo preço pago pelo papel.

Exemplo:

Se uma empresa com ação a R$ 10 pagou R$ 1 de dividendo por papel, deve-se dividir 1/10. Logo, o DY é de 10% (pois, 1/10 = 0,1 = 10%).

As plataformas de análise mostram o DY, mas é preciso lembrar que o cálculo é feito considerando o valor atual da ação. Então é preciso usar o valor pago na compra caso você queira fazer o DY de algum papel que você já tenha adquirido. 

Imaginemos que a mesma empresa hipotética citada acima sofra uma valorização e outro investidor compre a ação por R$ 11. Se ele entrar nesse mesmo lote onde a empresa distribui R$ 1 por ação, o DY dele será de cerca de 9% (pois 1/11 = 0,9 = 9%). Logo, cada pessoa tem seu próprio DY.

Escolhendo as empresas certas 

Para escolher uma empresa que distribua bons dividendos, uma série de fatores deve ser observada. É necessário entender qual tipo de empresa se está escolhendo, bem como o funcionamento do setor em que ela atua. 

Além disso, é importante olhar o histórico de pagamento de dividendos da companhia para verificar o contexto em que ela se encontra.  De modo geral, empresas com fluxo de caixa previsível e que são maduras oferecem maior payout porque não têm tanta necessidade de investimento.        

O Gorila levantou quais empresas são as melhores ações pagadoras de dividendos deste ano. 

Confira:
Top 10 ações melhores pagadoras de dividendos em 2021

Juros sobre capital próprio 

Os juros sobre capital próprio (JCP)  são parecidos com os dividendos, porém funcionam de maneira distinta. Enquanto o dividendo é retirado do lucro líquido, os JCP são lançados como despesas que as empresas precisam quitar. Isso é feito principalmente para diminuir a carga tributária.

Quando uma empresa distribui JCP, em termos contábeis, o lucro líquido dela diminui, já que esse tipo de provento é considerado uma saída de caixa. Dessa forma, o Imposto de Renda incide sobre um valor menor e a companhia paga menos tributos à Receita Federal.

Contudo, ainda assim há taxação sobre os JCP e é o investidor quem precisa arcar com o ônus. O IR incide em 15% sobre o valor recebido antes mesmo de cair na conta do acionista. Vale lembrar que, durante a declaração anual de IR,  você deve lançar os JCP na aba “Rendimentos sujeitos à tributação exclusiva/definitiva”.

Leia também:
Como declarar ações no Imposto de Renda
9 taxas de investimentos que você precisa conhecer antes de investir

Para algumas empresas vale mais a pena distribuir JCP e para outras é mais vantajoso distribuir dividendos. Há ainda aquelas que distribuem os dois tipos de proventos. Tudo depende do setor e da estratégia adotada pela companhia. 

Bonificação

Na prática, a bonificação é o recebimento de mais ações. Quando uma empresa aumenta seu valor na bolsa de valores, ela precisa distribuir aos acionistas o valor acrescido, de forma proporcional às suas participações. Vamos ilustrar:

Exemplo:

Imaginemos que uma empresa possui um total de R$ 1.000.000,00 na bolsa de valores. E em patrimônio líquido ela possui R$ 100.000,00 parados em caixa. 

Essa empresa decide que  lucro do patrimônio líquido que está em caixa será reinvestido nela mesma e não será distribuído em forma de dividendos ou JCP. Nesse caso, ela pode adicionar o valor do caixa ao capital social e bonificar os acionistas existentes com mais papéis.

Então, na bolsa, a empresa passa a valer R$ 1.100.000,00. Nesse caso, os acionistas precisam receber, em papéis, o proporcional do valor de R$ 100.000,00 que foi incorporado. No caso dessa empresa hipotética, a bonificação aos acionistas seria um acréscimo de 10% no volume de ações adquiridas.

Subscrição

A subscrição acontece quando uma empresa de capital aberto decide captar novos recursos, propõe o lançamento de novas ações no mercado e oferece o direito de compra dessas novas ações para quem já é acionista da companhia. 

São ofertados papéis aos acionistas que já formam parte da sociedade da organização para que eles não tenham sua participação diluída. Essa oferta de compra é chamada de subscrição ou direito de subscrição. 

A subscrição dá ao investidor o direito de comprar as ações da empresa por um preço abaixo do mercado.  

Exemplo:

Pensemos novamente numa empresa com capital social de R$ 1.000.000,00 em bolsa. Essa empresa deseja acrescentar R$ 100.000,00 a esse capital, transformando-o em R$ 1.100.000,00 e aumentando-o, portanto, em 10%.

Um investidor que possui 100 ações dessa organização precisa aumentar sua participação em 10% caso não queira ser diluído da sociedade. Ou seja, ele precisa comprar mais 10 ações e atingir um total de 110 papéis. 

A empresa oferece a esse investidor direitos de subscrição de maneira proporcional a sua participação para que ele não seja diluído. Isso quer dizer que, no nosso exemplo, esse investidor receberá 10 direitos de subscrição.

Quando o investidor recebe os direitos de subscrição, ele pode decidir usá-los ou não. Caso não queira subscrever suas ações, é possível negociar esses direitos ganhos no mercado de ações. 

É importante lembrar que os direitos de subscrição possuem data de vencimento, então é preciso ficar de olho. 

Data Com e Data Ex: como isso influencia a distribuição de proventos?

Quando se fala de proventos, os conceitos de Data Com e Data Ex são fundamentais.

A Data Com remete a data em que é necessário estar com as ações na carteira até o final do pregão para ter direito ao evento que a empresa anunciou. Esse evento anunciado pode ser a distribuição de dividendos, juros sobre capital próprio, bonificações ou subscrições. 

Já a Data Ex costuma ser o dia subsequente à Data Com e é a data em que o investidor já não tem mais direito à compra das ações que geram a distribuição dos proventos anunciados. 

Como acompanhar a distribuição de proventos de maneira fácil?

Ficar por dentro de quando as companhias anunciam que vão distribuir proventos pode ser uma tarefa complicada. São várias fontes que precisam ser checadas a todo tempo para não deixar nada passar despercebido.

Mas isso só é difícil se você não usa o Gorila. Além de controlar seus investimentos, na nossa plataforma você acompanha o desempenho das suas ações e todos os eventos que estão relacionados a elas. É só usar nossa ferramenta de Eventos Corporativos

Com a ferramenta  você visualiza de forma simples os seus dividendos, juros sobre capital próprio e bonificações em ações. E ainda tem listados outros eventos como  desdobramentos, grupamentos, redução de capital e rendimentos nos seus Fundos Imobiliários.

Proventos exibidos na plataforma web do Gorila
Ferramenta Eventos da Carteira na plataforma web do Gorila

Tenha a visão global da sua carteira a qualquer momento e em qualquer lugar. Acesse o site ou baixe o aplicativo

Proventos exibidos no app do Gorila
Ferramenta Eventos da Carteira no app do Gorila

Curtiu? Siga o Gorila em outras mídias sociais para ficar por dentro desse e outros assuntos do mercado: Facebook, Instagram, Twitter , LinkedIn e Telegram!

* Texto escrito sob supervisão de Álvara Bianca

Controle seus investimentos com o Gorila

Não perca mais tempo com tabelas e planilhas. Conheça uma nova forma de acompanhar a rentabilidade da sua carteira de investimentos.

Controle seus investimentos com o Gorila

E tenha a plataforma mais completa para acompanhar a sua rentabilidade de forma rápida, fácil e transparente.

Leia mais

Leia mais

open banking
aprenda

Entenda o que é Open Banking

Ainda em processo de regulamentação no Brasil, O Open Banking pode ser explicado como a transferência da posse dos dados bancários para os clientes