O que é Equity Crowdfunding

É um tipo de financiamento onde as pessoas se juntam para investir em startups e em troca recebem um percentual da empresa
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp

Já pensou em investir numa startup? Com o Equity Crowdfunding isso se torna viável já que o mecanismo possibilita que um conjunto de investidores financie empresas em troca de participação nelas.

Pode parecer bem atrativo investir numa companhia que está começando e ver ao longo do tempo o sucesso e poder lucrar com isso. No mercado, não é difícil encontrar startups que cresceram e hoje tem milhares de clientes, como por exemplo Nubank e Uber.

Mas vamos explicar como isso funciona. Se uma equipe de empreendedores vê uma oportunidade no mercado e cria uma startup, ela pode oferecer participação societária (equity) em troca de investimento dos outros usuários. O Equity na verdade trata-se da participação societária dela, que pode ser representada por valores mobiliários como quotas e ações.

O início

A primeira plataforma de Equity Crowdfunding surgiu no Brasil em 2014, mas só ganhou força em 2017, quando teve aval da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) – órgão que regula o mercado financeiro. Cada empresa pode captar até R$ 5 milhões.

Em 2018, a captação de recursos via Equity Crowdfunding chegou a R$ 46 milhões, um crescimento de 256% em relação a 2017, de acordo com dados da CVM. Muitas vezes os aportes têm lances mínimos em torno de R$ 1 mil. Vale lembrar que quando as empresas recebem a grana, elas têm um prazo para retornar o valor, de preferência valorizado.

Como investir?

Uma das condições previstas pela regulamentação diz que o Equity Crowdfunding só aconteça por meio de plataformas que passaram pelo processo de autorização junto à CMV. Atualmente, 17 plataformas estão autorizadas para funcionar, como por exemplo Urbe.me, StartMeUp, Eqseed, Kria (originalmente Broota), Catarse e Kickante.

Diferença entre Equity Crowdfunding e financiamento coletivo

Muitas pessoas podem confundir o Equity Crowdfunding com o crowdfunding tradicional. A diferença está no fato de que no Equity, o investidor recebe participações acionárias no negócio. Já no segundo caso, quem aplica o dinheiro em um determinado negócio ganha em troca brindes ou produtos. Essa prática vem sendo utilizada, por exemplo, por bandas para financiarem o disco e em troca os fãs que contribuem recebem CDs, camisetas ou ingressos para show.

Pontos positivos

Investir em Equity Crowdfunding é aplicar o dinheiro em empresas pequenas. Como as startups têm valor de mercado baixo, elas podem representar lucros maiores que outras opções de mercado. Dessa foram, um dos  benefícios desse tipo de investimento é ser uma alternativa em relação aos bancos e até mesmo à bolsa de valores.

Riscos

Sempre é  bom lembrar que investimento em empresas startups é de risco elevado e indicado para quem quer deixar a grana aplicada a longo prazo. Podemos pensar que é como investir na Bolsa no sentido de risco, mas há mais proximidade dos investidores.

É bom ficar de olho em alguns pontos como a experiência da equipe de execução e a fase que o projeto se encontra. E como o Gorila sempre ressalta, cada investidor tem um perfil e o Equity Crowdfunding é mais uma opção para quem quer diversificar a carteira de investimentos. Depois é só usar a plataforma do Gorila para acompanhar o desempenho dos seus ativos.

Curtiu?

Aproveite para compartilhar essas informações com os amigos através das nossas redes sociais no Facebook, Instagram, Twitter ou Linkedin!

Controle seus investimentos com o Gorila

Não perca mais tempo com tabelas e planilhas. Conheça uma nova forma de acompanhar a rentabilidade da sua carteira de investimentos.

Controle seus investimentos com o Gorila

E tenha a plataforma mais completa para acompanhar a sua rentabilidade de forma rápida, fácil e transparente.

Leia mais

Leia mais

ações

Melhores ações julho 2022: altas e baixas

Veja as piores e melhores ações de julho: com alta de 4,69% no Ibovespa, o setor de varejo e de tecnologia tiveram leve recuperação, enquanto as mineradoras levaram a pior. Acompanhe o top 5!