Finanças comportamentais: Você investe de forma racional?

Entenda os vieses das finanças comportamentais, faça o teste e descubra se você investe de forma racional ou enviesada.
Finanças comportamentais
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp

Hoje vamos falar sobre finanças comportamentais. A teoria clássica da economia assume que os indivíduos são completamente racionais, tomam decisões pautadas na lógica e escolhem a melhor opção. Mas sabemos que a vida não é assim: compramos por impulso, priorizamos conselhos de outros ao invés de fundamentos técnicos e perpetuamos investimentos ruins.

As finanças comportamentais estudam a influência do aspecto emocional na tomada de decisão do investidor. Como você acha que vem levando sua vida financeira? Depois do resultado do teste, veja os vieses cognitivos que comprometem o sucesso da sua carteira.

Teste

Como você acha que investe? Faça o teste e confira!

Vieses comportamentais

Inércia: Muitas vezes deixamos o dinheiro parado em investimentos ineficientes, pela comodidade ou desgosto por mudanças. Já é sabido que a poupança não é mais uma opção atrativa, mas mesmo assim muitos mantêm seu dinheiro rendendo pouco, ao invés de aplicar em alternativas de mesmo risco e liquidez, mas rentabilidade melhor. 

“O medo do desconhecido é maior do que a insatisfação com a realidade atual.”

Comportamento de manada: Na era dos “influencers”, esse viés está cada vez mais comum: copiar o que os outros estão fazendo. As decisões deixam de ser pautadas nos fundamentos e na racionalidade do negócio, para apenas seguir o que a maioria está fazendo pelo medo de perder uma grande oportunidade. Este efeito é uma bola de neve e já foi a razão de grandes bolhas financeiras.

Desconsiderar riscos: Todo investimento tem algum risco, mas muitos não os levam em consideração, ou os subestimam devido a uma má avaliação. Tal ingenuidade é perigosa, pois dá a falsa ilusão de controle que pode levar a grandes perdas.

Falácia do apostador: As pessoas tendem a acreditar que um evento independente que aconteceu com frequência no passado deve influenciar a probabilidade de acontecer no futuro. Por exemplo, se uma moeda não viciada cai 10 vezes em coroa, qual deve ser o resultado do próximo lançamento? A resposta racional é: as chances de “cara ou coroa” são iguais. Mas no mundo real, costumamos deixar a estatística de lado e construímos falsas relações entre os acontecimentos.

Fugir dos custos e tentar sozinho: Consultores, assessores e outros agentes de investimentos são especialistas de mercado. Apesar disso, o ser humano tem aversão a pagar despesas adicionais, e muitos optam por investir sozinho para “economizar”. Isso pode levar a rentabilidades menores no longo prazo, porque o investidor iniciante (e até mesmo intermediário) não tem tanto conhecimento de mercado quanto um profissional formado, não tem tempo para se dedicar a análises profundas e/ou é mais suscetível a tomar decisões emocionais ao se tratar do seu próprio dinheiro. 

Viés de confirmação: Tendência em interpretar as informações de acordo com nossas próprias opiniões. Acabamos dando mais relevância às informações que reforçam nossa visão e ignoramos análises que discordam.

Excesso de confiança: Nosso cérebro costuma ser excessivamente otimista, buscando manter o nosso bem estar e minimizar nossa ansiedade. Isso nos leva à falsa certeza que os investimentos arriscados não darão prejuízos. 

Cálculo mental: Para maioria das decisões rotineiras, fazer um cálculo mental pode ser uma estratégia útil que salva tempo para tomar uma decisão, porém para situações complexas, simplificar uma conta e fazer uma análise rápida demais pode tornar-se uma armadilha.

Aversão à perda: Somos mais impactados por perdas que por ganhos. Se temos um investimento em declínio, é muito comum nos recusarmos a aceitar sua perda e insistir nele pelo medo de ter prejuízos. Da mesma forma, podemos liquidar um investimento promissor, com receio que ele comece a apresentar quedas.

Como se prevenir desses erros?

  1. Fique ligado nas notícias do mercado financeiro pelo nosso canal do Telegram. 
  2. Identifique qual o seu perfil de investimento e se atente às suas necessidades financeiras para o futuro. 
  3. Estude com calma os ativos que pretende investir, e procure um profissional de investimento confiável e certificado para te auxiliar. Conheça as certificações do mercado financeiro
  4. Diversifique seus investimentos e nunca aposte tudo em um único ativo.
  5. Acompanhe a sua carteira e analise como cada ativo desempenha. O Gorila consolida todas as suas aplicações e dá dados detalhados sobre sua performance.

Mais conteúdos

O CEO do Gorila, Guilherme Assis, participou do 7º Congresso sobre Economia e Finanças Comportamentais realizado pela FGV. Reveja o webinar.

Siga nossas outras mídias: Facebook, Instagram, Twitter , Linkedin e Telegram.

Controle seus investimentos com o Gorila

Não perca mais tempo com tabelas e planilhas. Conheça uma nova forma de acompanhar a rentabilidade da sua carteira de investimentos.

Controle seus investimentos com o Gorila

E tenha a plataforma mais completa para acompanhar a sua rentabilidade de forma rápida, fácil e transparente.

Leia mais

Leia mais