Como escolher o melhor fundo de investimento para sua carteira?

Descubra dicas de como escolher o melhor fundo de investimento para sua carteira e aprenda a tomar decisões mais assertivas.
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp

Se você já é investidor ou tem buscado aprender sobre o tema para dar seus primeiros passos no mercado financeiro já deve ter ouvido falar dos fundos de investimento. Uma modalidade de investimento na qual o portfólio de ativos é administrado por um profissional, o fundo de investimento pode ser uma solução para o investidor iniciante e para aqueles que não têm tempo disponível para fazer uma gestão da sua carteira mais de perto.

Escolher o melhor fundo de investimento para a carteira, no entanto, nem sempre é uma tarefa fácil. Afinal, em um mercado repleto de oportunidades e fundos de investimento distintos, qual é a melhor opção para compor seu portfólio de investimentos?

É sobre isso que falaremos no artigo de hoje. Continue a leitura e descubra o que levar em consideração na hora de escolher o melhor fundo de investimento para a sua carteira.

Acompanhe!

Considerando os objetivos

A primeira questão com a qual o investidor deve se preocupar na hora de escolher o melhor fundo de investimento para sua carteira é quanto aos seus objetivos pessoais. Tenha definido em mente qual é o objetivo da sua aplicação e avalie o tempo que você deseja manter seu dinheiro aportado.

Imagine, por exemplo, que você está buscando um fundo de investimento para montar sua reserva de emergência. Realizar aportes em um fundo com liquidez limitada e alto risco, por exemplo, não seria uma opção assertiva, não é mesmo?

Saber qual será o aporte inicial e o aporte mensal disponível para este investimento também é muito importante nesta etapa. Isso porque cada fundo tem suas próprias regras – inclusive quanto ao valor mínimo para aportes.

Portanto, ao considerar investir por meio de um fundo de investimento, considere, em primeiro lugar, suas metas financeiras pessoais, tempo de aporte, valor do aporte inicial e os aportes que deverão ser realizados ao longo do tempo. A partir daí ficará muito mais fácil selecionar um bom fundo, que atenda aos seus anseios e necessidades enquanto investidor.

Conhecendo o perfil de investidor

Uma boa decisão de investimento – seja de um fundo de investimento ou de qualquer outro produto financeiro – dificilmente existirá quando o investidor não conhece o seu perfil para investimentos. Se você não conhece o seu perfil de investidor, vale a pena atentar-se a essa questão antes de escolher o melhor fundo de investimento para compor o seu portfólio.

Identifique se o seu perfil de investidor é conservador, moderado ou agressivo avaliando o risco que você está disposto a assumir em busca de uma maior rentabilidade a partir dos seus investimentos. A partir desta avaliação você conseguirá selecionar alguns dos fundos que estão alinhados aos seus objetivos e ao seu perfil de investidor e poderá dar início ao processo de análise e seleção destes fundos.

Não sabe qual é o seu perfil? Então clique aqui e conheça seu perfil de investidor!

Conhecendo os fundos de investimento

Na hora de escolher o melhor fundo de investimento para sua carteira é primordial conhecer as classes dos fundos de investimento. Ter conhecimento desta informação poderá lhe poupar muito tempo de análise e ajudará você a se concentrar em uma ou duas classes específicas de fundo de investimento – que poderão estar mais alinhadas ao seu perfil e aos seus objetivos.

De acordo com a Comissão de Valores Mobiliários (CVM), são quatro as principais classes de fundo de investimento: renda fixa, ações, multimercado e fundo cambial. Cada uma destas classes de fundo possui características e estratégia bastante particulares.

Os fundos de renda fixa, por exemplo, têm uma carteira composta, majoritariamente, de ativos de menor risco, como títulos públicos. Já os fundos de ações têm a maior parte da sua carteira composta por ações, cotas de fundos de ações e outros títulos negociados na bolsa de valores.

Os fundos cambiais têm ao menos 80% da sua carteira composta por ativos ligados a moedas, enquanto os fundos multimercado podem compor seu portfólio com produtos de renda fixa e de renda variável – aumentando a liberdade do gesto em aplicar em ativos nos quais ele acredita ter maior potencial de rentabilidade.

Analisando os prospectos

Um passo importante – que nem sempre é considerado pelos investidores – na hora de escolher um fundo de investimento para composição da carteira é a análise de prospectos. Analisar o descritivo do fundo e conhecer a fundo suas características e estratégias é uma tarefa fundamental para qualquer investidor que deseja fazer uma boa escolha quanto à composição do seu portfólio de investimentos.

No prospecto, procure atentar-se ao objetivo do fundo, à política de investimento – que incluem regras de aportes, além dos prazos de solicitação e resgate dos investimentos, e ao modelo de gestão – passiva ou ativa. Conhecer a tributação das aplicações e a taxa de administração cobrada também são fundamentais para embasarem o investidor para uma escolha mais coerente e alinhada às suas metas de investimento.

A rentabilidade passada de um fundo ou de qualquer outro investimento não é e nunca será garantia de rentabilidade futura. Apesar disso, vale a pena conhecer, antes de fazer seus aportes em um fundo, a rentabilidade histórica do fundo e sua performance nos últimos 12 meses.

Avaliando as taxas de administração

Na hora de avaliar o fundo e o prospecto, tire um tempo maior para avaliar as taxas de administração e performance e verificar se elas estão adequadas ao tipo de gestão do fundo. A taxa de administração é o valor que remunera os gestores e administradores de um fundo.

Não vale a pena, por exemplo, pagar uma taxa de administração alta em um fundo de investimento com gestão passiva. Afinal, se a taxa cobrada for muito alta, não fará sentido para o investidor pagar para alguém realizar os aportes em renda fixa – podendo ele optar por fazer ele mesmo os investimentos, sem precisar de terceiros para esta tarefa.

Alguns destes fundos também cobram uma taxa de performance caso a rentabilidade do investimento supere as metas estabelecidas ou o benchmark do investimento. Fique atento a estas taxas e faça contas antes de optar por um fundo de investimento.

Lembre-se também que os fundos de investimento usam o sistema de come-cotas do Imposto de Renda. Considere este custo tributário na hora de fazer sua escolha.

Conclusão

A escolha do melhor fundo de investimento para sua carteira é uma decisão pessoal e particular de cada investidor – assim como a escolha de optar por investir ou não por meio de um fundo de investimento. Na hora de analisar as melhores opções, no entanto, não se esqueça de considerar suas metas pessoais, seu perfil de investidor, a classe do fundo, seu prospecto e as taxas cobradas.

Desta forma, você conseguirá fazer uma escolha alinhada aos seus objetivos e estratégias e fará a diversificação da sua carteira de investimentos de maneira sólida e muito mais assertiva!

Controle seus investimentos com o Gorila

Não perca mais tempo com tabelas e planilhas. Conheça uma nova forma de acompanhar a rentabilidade da sua carteira de investimentos.

Controle seus investimentos com o Gorila

E tenha a plataforma mais completa para acompanhar a sua rentabilidade de forma rápida, fácil e transparente.

Leia mais

Leia mais

fintechs
ações

O jogo virou ou não para as fintechs?

Players de tecnologia reconhecem que é preciso cautela diante da bolha das fintechs. Entretanto, o amadurecimento da regulação no setor e o Open Finance, entre outros fatores, devem contribuir para que não seja “um inverno tão rígido”. Essa é a opinião de Guilherme Assis, CEO do Gorila.